BLOG

Postado em 31/05/2019
NOTÍCIAS

<< Voltar

RESÍDUOS RECICLÁVEIS X LIXO

Nós, seres humanos, degradamos demais o meio ambiente e muitas vezes não percebemos, sempre estamos defendendo a proteção ambiental, porém o que nos falta é educação ambiental.
Temos preguiça em levar material reciclável a um ponto de entrega voluntária (PEV), muitas vezes implantada pelas prefeituras ou então por cooperativas de catadores que sustentam suas famílias através da coleta desses materiais.
Descartamos muitos resíduos, que são materiais que podem ser aproveitados por outros processos produtivos, como é o caso da própria reciclagem, ao invés de pesquisar e se informar qual o destino mais adequado deste material.

Definições
Lixo: qualquer material sem valor ou utilidade, detrito oriundo de trabalhos domésticos, industriais, entre outros. 

Resíduos: todos os materiais que resultam das atividades humanas e que muitas vezes podem ser aproveitados, tanto para reciclagem como para sua reutilização em outros processos produtivos.

Reúso/Reutilização: reutilizado em processos dentro da própria empresa.
5 R’s: repensar, reduzir, recusar, reutilizar e reciclar.
 
Através dessas definições, podemos entender muitas ideias que nos são passada para o ciclo dos materiais.
Existe a máxima de Lavoisier: “Nada se cria, tudo se transforma”
Também tem uma gota ambiental muito sábia que diz: Quando jogo fora alguma coisa, não existe o fora, em algum lugar no planeta irá parar.

Aterros sanitários
Você sabia que os projetos de aterros têm que prever uma vida útil de no mínimo 10 anos? Dessa forma é fácil entender que necessitamos de grandes áreas para dispor resíduos.
Também é importante salientar que após o encerramento do aterro não pode ser construído nada nesta área, pois os aterros continuam a liberar gases até a decomposição total dos materiais.
Outra coisa importante para ressaltar é que toda matéria orgânica, é composta basicamente de carbono e hidrogênio e sua decomposição se transforma em gás carbônico (CO2) e água (H2O), sendo que o gás carbônico é um dos gases responsáveis pelo efeito estufa, ocasionando o aumento gradativo da temperatura da terra.
O incentivo e as iniciativas para o plantio de árvores no Brasil, que tem muitos dias de sol, favorece a fotossíntese que ajuda a absorver o gás carbônico e liberar oxigênio (O2).
Nos aterros, em processo fechado de decomposição, há ainda a liberação de gás metano (CH4), que corresponde a 100 vezes mais danos do que o CO2 como gás do efeito estufa (GEE).
Em um passado remoto muito dos materiais que utilizávamos eram retornáveis, como: garrafas de refrigerantes, cervejas e leite. Não tínhamos tantos descartáveis, inclusive as fraldas eram de panos.
Descreveremos alguns tipos de materiais que podem ser reciclados dentro de suas residências, comércios e indústrias, trabalhando também na otimização de processos.

Na residência
Em nossa residência geramos diversos resíduos que são recicláveis, como por exemplo, papéis, plásticos, papelões (caixa de pizzas, tubetes do papel higiênico, embalagens de compras), vidros (garrafas, frascos de azeite, vidros de palmito), latas de alumínio e flandres (atum, ervilha, seleta, outros), embalagens tetrapak (leite, sucos) e esponjas usadas.
Outros itens importantes são as lâmpadas fluorescentes que contém vapor de mercúrio e quando depositadas em aterros contaminam o solo e consequentemente a água subterrânea. Sabe quem vai beber essa água? Você mesmo.
Também os eletrônicos que chamamos de lixo eletrônico, porém tem os metais pesados que contaminam o solo, como: pilhas, baterias, celulares, tablets e computadores.
Quando se faz a separação dos materiais, observa-se que praticamente em torno de 70% é material reciclado.
Outra coisa reciclada é o óleo vegetal usado, que pode ser destinado para a produção de sabão, biodiesel ou outras finalidades.
Normalmente o que o pessoal pergunta é se tem valor agregado. Sim tem valor agregado, porém como individualmente a quantidade é pequena fica difícil sustentar a estrutura toda.
Até o lixo orgânico (restos de comidas) tem gente aproveitando, fazendo a compostagem e gerando adubo em composteira portátil.

No comércio
Tem-se vários tipos de comércio, mas todos geram resíduos reaproveitáveis, sendo uns mais e outros menos.
O que me deixa mais chateado é passar em certos locais e ver a quantidade de resíduos que são descartados no lixo, como por exemplo, caixas de papelão, plásticos, madeiras, latas e outros, sem enviar para reciclagem.
Atualmente a Associação Brasileira de Alumínio (ABAL) tem um programa forte que oferece a troca de latas por mercadorias e até cadeiras de roda, computadores entre outros, por isso vemos muitos catadores procurarem nos lixos somente por latas de alumínio. A reciclagem de alumínio é em torno de 97%.
Os demais resíduos descartados pelo comércio não interessam para muitos catadores, portanto acaba caindo nos aterros.
Outro exemplo é a mistura dos materiais. Pedimos que sejam separados os materiais sujos dos demais, já que os sujos necessitam de limpeza ou não se recicla.
Assim como nas residências, os comércios também geram os mesmos resíduos, porém em quantidades maiores.
O que falta é a conscientização para separar e destinar adequadamente.
Os comércios que são mais poluentes são os sistemas retalhistas de combustíveis (postos) e mecânicas de autos que geram óleos, embalagens, materiais sujos que são classificados como perigosos e tem que destinar separadamente.

Na indústria
A indústria por conta dos controles dos órgãos ambientais tem um trabalho mais desenvolvido dentro do seu processo, promovendo a segregação dos resíduos de acordo com a sua classificação (Perigosos - Classe I e Não Perigosos – Classe II) de acordo com a NBR 10004.
Os resíduos industriais normalmente já têm uma destinação adequada, portanto na indústria o que tem que ser feito é atuação no processo produtivo, verificando o que pode ser reduzido em termos de gerações, o que reduz custos e despesas.
Já tivemos trabalhos desenvolvidos, onde conseguimos reduzir a carga poluidora de efluentes simplesmente fechando circuitos, utilizando de Engenharia para otimização de processos.
Outro case muito interessante foi a substituição de embalagens, com objetivo principal de redução de custos das matérias-primas e geração de quantidade menor de resíduos, utilizando embalagens retornáveis.
Esses exemplos são alguns dos trabalhos que devem e podem ser desenvolvidos dentro da indústria, gerando uma análise crítica do processo produtivo e melhorias a serem implantadas.
A CETESB, em São Paulo, tem exigido das empresas Relatórios de Melhoria Ambiental, indicando quais melhorias foram implantadas no período que beneficiaram o meio ambiente, além de exigir programas de logística reversa para diversos setores e vincular a renovação da licença de operação dessas indústrias com a comprovação dessa logística.
Em outro processo desenvolvido pela MRA, implantamos a estação de tratamento de efluentes, com foco em reúso do efluente tratado, proporcionando ao cliente uma economia   em torno de 50% em volume de água captada, propiciando uma economia em torno de 35% em valores.

Conscientização
Vale ressaltar que nossas ações são muito importantes para a proteção ao meio ambiente.
Há um tempo, tivemos um apagão geral no Brasil e os órgãos pediram para economizar luz e deram descontos para quem reduzisse 20% de seu consumo de luz. Todos os consumidores foram e trocaram as lâmpadas, na época incandescentes por lâmpadas econômicas e atingiram a meta, porém ninguém disse que o problema do apagão ocorreu por causa da falta de água, pois a nossa geração de energia é por hidroelétricas, causa que estamos arrastando até hoje com a crise hídrica.
Dessa forma, é muito importante que façamos nossa parte, nos tornando cada dia mais conscientes de nossas responsabilidades e das ações que devemos ter e que podem impactar o meio ambiente.

Regras de ouro do meio ambiente:
NÃO jogue lixo na rua
NÃO desperdice água
ENVIE os materiais recicláveis para reciclagem
REGULE seu veículo periodicamente
TROQUE regularmente o catalizador de seu carro
ANDE mais de transporte público

Essas são algumas ações que podemos tomar em que o meio ambiente e seu bolso agradece, pois se hoje pagamos em nossa conta de luz bandeira vermelha e/ou amarela um preço alto é porque FALTA ÁGUA, pense nisso.
Lembre-se: o meio ambiente é de todos e devemos preservar para nossos filhos e outras gerações, pois o homem já degradou muito o meio ambiente.
Caso tenha dúvidas nessa matéria ou queira mais informações, a MRA Serviços Ambientais poderá estabelecer serviços de geração de seus resíduos, considerando a orientação, retirada dos resíduos e destinação adequada.

Não hesite em entrar em contato.